Em reunião com bancada potiguar, prefeitos do RN pedem apoio para aliviar a crise nos municípios

Image is not available

Deputado Felipe Maia e bancada do Nordeste pedem a Temer sensibilidade em dívidas de produtores rurais e liberação de repasse extra ao FPM

Image is not available

Em discurso, Deputado Felipe Maia comemora aprovação de projetos sobre segurança pública

Image is not available

Técnicos da Petrobras garantem a bancada potiguar investimentos e manutenção de empregos em Refinaria Clara Camarão

Image is not available
Arrow
Arrow
Slider
Quinta, 13 Julho 2017 18:51

Em discurso, deputado Felipe Maia disse que atitude da oposição no Senado Federal "é inacreditável"

Após sessão do Senado Federal ser suspensa, na terça-feira (11), depois que um protesto da oposição impediu a votação do projeto que modifica as leis trabalhistas, em discurso na Câmara dos Deputados, o deputado federal Felipe Maia (DEM-RN) disse que a atitude dos senadores "é inacreditável".

"Repudio essa situação! É inacreditável os senadores da oposição ocuparem a Mesa do Plenário e impedir o andamento de uma sessão deliberativa. Os partidos que se diziam defensores da democracia em 64, são os mesmos que hoje estão impedindo os trabalhos no Senado", afirmou o parlamentar, comparando o acontecimento à época da ditadura militar.

Para Felipe Maia, a oposição mostrou que não tem interesse em oferecer melhorias aos trabalhadores.

"O país se encontra em um momento de gravíssimas dificuldades financeiras, econômicas e de geração de emprego. Hoje, o que a oposição mostrou no Congresso foi que não se preocupa em propor melhorias para os trabalhadores brasileiros. Nos deparamos com mais um capítulo da herança devastadora e triste do PT, que fez com que o governo atual sofresse para levar pastas importantes, como da área de educação e de saúde. É uma luta diária", explicou.

O parlamentar enfatizou ainda que os partidos precisam se unir para proporcionar medidas que beneficiem, efetivamente, os brasileiros.

"Estamos em um momento sensível e de penúria fiscal. Temos que defender os interesses reais da população e, acima de tudo, ter consciência e responsabilidade nas nossas decisões no Parlamento", alertou.