Na Câmara, Felipe Maia afirma ser uma “triste realidade” RN registrar aumento de mil homicídios em 2018

Image is not available

Em audiência com Presidente da Caixa Econômica, bancada do RN discute prejuízos de cancelamento de convênio com Neoenergia

Image is not available

Em audiência com Presidente da Caixa Econômica, bancada do RN discute prejuízos de cancelamento de convênio com Neoenergia

Image is not available

No Ministério da Saúde, Bancada potiguar solicita liberação recursos para Instituto de Medicina Tropical e Núcleo Genômica da UFRN

Image is not available
Arrow
Arrow
Slider
Quinta, 13 Julho 2017 18:51

Em discurso, deputado Felipe Maia disse que atitude da oposição no Senado Federal "é inacreditável"

Após sessão do Senado Federal ser suspensa, na terça-feira (11), depois que um protesto da oposição impediu a votação do projeto que modifica as leis trabalhistas, em discurso na Câmara dos Deputados, o deputado federal Felipe Maia (DEM-RN) disse que a atitude dos senadores "é inacreditável".

"Repudio essa situação! É inacreditável os senadores da oposição ocuparem a Mesa do Plenário e impedir o andamento de uma sessão deliberativa. Os partidos que se diziam defensores da democracia em 64, são os mesmos que hoje estão impedindo os trabalhos no Senado", afirmou o parlamentar, comparando o acontecimento à época da ditadura militar.

Para Felipe Maia, a oposição mostrou que não tem interesse em oferecer melhorias aos trabalhadores.

"O país se encontra em um momento de gravíssimas dificuldades financeiras, econômicas e de geração de emprego. Hoje, o que a oposição mostrou no Congresso foi que não se preocupa em propor melhorias para os trabalhadores brasileiros. Nos deparamos com mais um capítulo da herança devastadora e triste do PT, que fez com que o governo atual sofresse para levar pastas importantes, como da área de educação e de saúde. É uma luta diária", explicou.

O parlamentar enfatizou ainda que os partidos precisam se unir para proporcionar medidas que beneficiem, efetivamente, os brasileiros.

"Estamos em um momento sensível e de penúria fiscal. Temos que defender os interesses reais da população e, acima de tudo, ter consciência e responsabilidade nas nossas decisões no Parlamento", alertou.