Na Câmara, Felipe Maia afirma ser uma “triste realidade” RN registrar aumento de mil homicídios em 2018

Image is not available

Em audiência com Presidente da Caixa Econômica, bancada do RN discute prejuízos de cancelamento de convênio com Neoenergia

Image is not available

Em audiência com Presidente da Caixa Econômica, bancada do RN discute prejuízos de cancelamento de convênio com Neoenergia

Image is not available

No Ministério da Saúde, Bancada potiguar solicita liberação recursos para Instituto de Medicina Tropical e Núcleo Genômica da UFRN

Image is not available
Arrow
Arrow
Slider
Terça, 18 Abril 2017 14:30

Câmara obriga comerciantes de animais silvestres a exibir nome do criador; Felipe Maia é relator

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou, na quinta-feira (6), o parecer do deputado federal Felipe Maia (DEM-RN), ao Projeto de Lei 2099/15, que torna obrigatória aos comerciantes de animais silvestres e exóticos a exibição, em local visível ao público, do nome do criador ou importador.

De acordo com o texto, também deverão ser exibidos o endereço, o número da licença expedida pelo órgão ambiental competente e o nome e o registro profissional do responsável pela criação – ou seja, o veterinário ou o biólogo, devidamente habilitado, nos termos do regulamento. O projeto determina que o Poder Executivo regulamente a lei no prazo de 90 dias.

A regra também valerá para os estabelecimentos que comercializam produtos oriundos de animais silvestres e exóticos, inclusive carnes para consumo humano. No caso de produtos manufaturados, as informações deverão ser apresentadas em etiqueta afixada no produto.
O parecer do relator, que recomendou a aprovação da proposta, destaca que além de coibir o tráfico de animais, a proposta vai de encontro ao anseio dos consumidores brasileiros, que querem mais informações sobre a origem dos produtos que adquirem.

“Na esteira dos problemas detectados pela operação Carne Fraca, que encontrou problemas em frigoríficos, essa proposta dá mais segurança a quem compra e consome produtos de origem em animais silvestres”, disse.

A proposta prevê ainda, a inobservância das medidas sujeitará o infrator à multa de R$ 10 mil a R$ 100 mil, conforme disposto em regulamento, sem prejuízo de outras penalidades decorrentes da legislação ambiental.

Tramitação

Como tramita em caráter conclusivo, a proposta está aprovada pela Câmara e segue para análise do Senado.⁠⁠⁠⁠